Atletismo: Campeonato Nacional de Juvenis em Pista Coberta 2019

No primeiro fim de semana de fevereiro, o Expocentro de Pombal recebeu o Campeonato Nacional de Juvenis em Pista Coberta. Neste campeonato de atletismo só competem jovens com 16 e 17 anos.

O Campeonato Nacional de Juvenis em Pista Coberta foi organizado pela Federação Portuguesa de Atletismo e englobou 30 provas, dividas pelos dias 2 e 3 de fevereiro. Rapazes e raparigas disputaram o título de campeão nacional juvenil, em provas como o triplo salto, lançamento do peso, marcha, estafetas e sprint.

(Magda Cruz/Oitava Colina)

O Expocentro de Pombal alberga a pista coberta escolhida para o campeonato nacional. A pista tem 200m e as curvas são elevadas – ao contrário do tipo de pista a que os atletas estão habituados, que tem 400m e a mesma altura em toda a sua extensão. A outra pista coberta que existe em Portugal fica em Braga.

(Magda Cruz/Oitava Colina)

Nos corredores laterais à pista, os atletas vindos de todo o país, incluindo ilhas, aquecem antes de seguirem para a câmara de chamada ou alongam após a sua prova.

(Magda Cruz/Oitava Colina)

Antes de cada prova, os atletas recebem indicações dos juízes da Federação Portuguesa de Atletismo, tal como aconteceu com alguns atletas da 1ª série de 1500m masculinos. O vencedor foi Luís Sá, do Grupo Desportivo Unidos do Cano, de Guimarães, com o tempo de 4:16.19 (terceiro atleta a contar da direita)

(Magda Cruz/Oitava Colina)

Eduardo Dias, atleta do Sporting Clube de Braga, descansa após ter sido sexto nos 1500m masculinos, em onze atletas da segunda série. A melhor marca foi 4:11.76. Eduardo fez mais cinco segundos que o atleta Miguel Damião da Associação Cultural e Recreativa de Cambra, de Viseu.

(Magda Cruz/Oitava Colina)

O atletismo não é só corrida. Englobando várias variantes, o fator comum são os pais, que acompanham os atletas. Os pais enchem as laterais da pista, gravam, tiram fotos, fazem de segundos treinadores e nunca param de gritar pelos filhos. Rui Cruz acompanha os filhos em todas as provas. Os filhos fazem parte do Sport Lisboa e Benfica há dois anos, mas praticam atletismo há nove.

(Magda Cruz/Oitava Colina)

Os atletas de salto com vara que foram medalhados ajudam o sagrado campeão nacional, Diogo Meneses, da Juventude Vidigalense, a descer do pódio. O atleta que fez a marca de 3,8 metros lesionou-se, mas os companheiros de pódio (Afonso Santos, da União Futebol Comércio e Indústria De Tomar, e Diogo Martins, da Casa do Benfica de Faro) até as medalhas queriam receberam sentados, por solidariedade ao colega.

(Magda Cruz/Oitava Colina)

No final da prova de 300m masculinos, o atleta José Ferreira, do SLB, sentiu-se mal e perdeu os sentidos. Foi logo assistido pelos treinadores e pessoal da Federação. Vinte minutos depois é que a ambulância chegou. Numa prova nacional não há uma equipa de bombeiros destacada, algo que os dirigentes das equipas querem resolver com a Federação. 

(Magda Cruz/Oitava Colina)

As campeãs nacionais por equipas de 2019 são as jovens leoninas, que acumularam 123 pontos em todas as provas disputadas. O troféu de segundo lugar foi para o Clube Futebol Oliveira do Douro, com 90 pontos, e no terceiro lugar do pódio ficou a Juventude Vidigalense, com 83 pontos.

(Magda Cruz/Oitava Colina)

Os juvenis do SLBenfica sagraram-se bicampeões nacionais, ao acumularem 109 pontos. Os vice-campeões, com 82,5 pontos, foram os atletas da Juventude Vidigalense, de Leiria. Já o bronze ficou para uma outra equipa lisboeta: o Sporting Clube de Portugal, que fez 80 pontos, durante os dois dias de competição.  A celebração inclui uma volta à pista com a bandeira do clube.