Como fazer “el cambio”?

A passagem do jornalismo tradicional para o meio digital requer perícia. Borja Echevarría ensina-nos como viajar sem turbulência até ao mundo do on-line. Preparados? Vamos fazer el cambio.

A venda de jornais impressos entrou numa espiral decrescente, as redações encolheram e os quiosques fecharam. É inegável: estamos na era digital. As pessoas preferem ler as notícias nos aparelhinhos multifuncionais que carregam nos bolsos. Mas poderá o jornalismo sobreviver no meio digital?

Esta questão tem sido motivo de controvérsia nos últimos anos. Contudo, Borja Echevarría, editor executivo-adjunto do El País e criador do site de notícias Soitu.es, responde sem delongas: “Sim, pode”. Mais do que isso: mostra-nos os modelos que funcionam e que podem fazer do jornalismo uma atividade rentável.

Borja Echevarría liderou o processo de conversão do El País para o formato digital, e foi bem-sucedido – o jornal tornou-se no diário on-line mais visitado de Espanha. Para conquistar a Internet, o jornalista espanhol diz que a imprensa tem de abrir portas “a novos talentos digitais, a pessoas com mentalidades diferentes”.

Porém, num mercado saturado, o verdadeiro caminho para o êxito são os “conteúdos diferenciais” – “o jornalismo on-line pede mais análise, mais interpretação, mais contexto”, explica Borja Echevarría.

E é a “lei do mais forte” que dita as regras: só quem se conseguir adaptar à realidade digital vai sobreviver. O Financial Times e a revista Atlantic são dois grandes da selva digital. O jornal de negócios conseguiu a proeza de ter mais subscrições on-line do que impressas. A Atlantic viu na adaptação ao meio digital a sua boia de salvação, depois de cinco anos em decadência. Estes modelos de êxito apostaram no marketing on-line e na valorização das redes sociais.

O Financial Times e a Atlantic sabem que não basta transferir os conteúdos do suporte impresso para o formato on-line. É preciso “marcar a diferença, colocar o leitor no centro da equação e subir a qualidade do digital”, como diz o jornalista do El País, para quem o segredo para um cambio bem-sucedido passa por “uma estratégia de negócio diretamente conectada com uma estratégia de conteúdos”. Afinal, com o plano certo, o jornalismo digital pode ser rentável.

Por Maria Teresa Sousa

Imagem por Lourenço Santos

TEMAS RELACIONADOS

Borja Echevarría: “O jornalista deve conversar com os leitores”
À procura das perguntas certas
O exclusivo continua a ser a nossa melhor arma
Ao encontro de Paul Salopek
A história do jornalista total
Josh Hammer – O Outro Ângulo
Descrever o mundo a partir do detalhe
O que a Mídia NINJA faz é jornalismo?
O regresso do Jornalismo

Gostaste deste artigo? Partilha-o!

Leave a Comment

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *

Scroll to Top