Encontro na Casa Fernando Pessoa: “A crónica é uma espécie de bossa nova em forma literária”

No local de homenagem à poesia falou-se da crónica e das suas complexidades. Discutiu-se o estado do Jornalismo atual, a forma como as publicações sobrevivem e o papel que a publicidade desempenha nos meios de comunicação social. Tentou-se perspetivar o futuro incerto e abordaram-se algumas das vivências e experiências dos convidados.

No encerramento da sua participação no ciclo ibero-americano, a Casa Fernando Pessoa recebeu Fixando Breve o Momento – Crónicas, uma mesa redonda que contou com a presença de quatro jornalistas com carreiras notáveis. As argentinas Leila Guerriero e Graciela Mochkofsky, o brasileiro Rafael Cariello e o peruano Julio Villanueva Chang, acompanhados pelo moderador residente Adelino Gomes, delinearam uma conversa em tom informal que ofereceu ao público uma visão abrangente do papel atual da crónica.

Se antes as crónicas eram centradas no autor e não no efeito que geravam, agora procuram associar-se à sociedade e não ao jornalista. Ao longo da conversa foi percetível a dificuldade de definir este texto jornalístico que apresenta diferentes características nos países ibero-americanos.

Em alguns casos encontra-se mais ligado ao conceito clássico e noutros ao Jornalismo Narrativo. Por essa razão, Adelino Gomes defendeu que em Portugal este é um “género guarda-chuva, cabe lá tudo”. Leila Guerriero foi mais longe e afirmou que “a crónica está ultrapassada na Argentina”, situação que não se verifica no Brasil, onde o estilo é bastante valorizado. Nas palavras de Rafael Cariello “a crónica é uma espécie de bossa nova em forma literária”.

Adelino Gomes apresentou uma das obras mais emblemáticas de Leila Guerriero, “Una historia sencilla”, um conjunto de crónicas acerca de um homem comum

 

Abordou-se ainda a disputa entre o Jornalismo e a Literatura, um problema que é entendido como algo estético, com o qual não se quer estar relacionado. Não obstante, o jornalismo narrativo está a ganhar mais terreno e Guerriero acredita que a crónica alcançou um “novo lugar nos últimos tempos”. Atualmente existem várias editoras que disponibilizam coleções de crónicas, ainda que com pouca visibilidade por este não se tratar de um género massivo.

Os intervenientes admitiram a impossibilidade de prever o futuro do Jornalismo, uma vez que este é mutável. A popularidade das redes sociais, como o Facebook, tem dificultado o trabalho dos profissionais da imprensa que necessitam de encontrar soluções para sobreviver a uma plataforma que oferece a informação de forma gratuita. A publicidade surge assim como uma forma de combater os novos media e é o que possibilita a sobrevivência de muitas publicações.

Ainda assim, os jornalistas admitiram ser necessário encarar o que se avizinha com otimismo. Adelino Gomes não fez suposições em relação ao futuro do Jornalismo, no entanto, deixou um apelo aos aspirantes a jornalistas: “o futuro do Jornalismo para os jovens que começarem a fazê-lo vai ser aquilo que os jovens vão estar interessados em mudar”.

Por outro lado, Graciela Mochkofsky reforçou a importância do rigor, numa época em que existe tanta informação disponível. A jornalista aconselhou os jovens a “conservarem a ideia de missão, a recordarem-se do porquê de estarem a fazer jornalismo, qual o sentido e o valor social que tem. Sobretudo a não deixar que os egos e as vaidades se sobreponham a isso”. Aqui pode ouvir um excerto da entrevista a Graciela Mochkofsky:

Fixando Breve o Momento – Crónicas fechou um ciclo que contou com a participação de vários nomes ligados às áreas da Poesia e da Crónica. Clara Riso, diretora da Casa Fernando Pessoa, realçou a intenção de abordar a temática do jornalismo e da não-ficção num espaço reservado à literatura. Confessou ainda que esta experiência deixou todos os envolvidos “muito agradados, muito entusiasmados e com vontade de repetir”.

Graciela Mochkofsky frisou que apenas consegue estimular o pensamento das pessoas acerca do futuro do Jornalismo e não prever o que de facto irá acontecer

 

Leave a Comment

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *