Fotorreportagem. Arte Urbana na Quinta do Mocho

Pintura de Zesar Bahamonte. Esta obra de arte pretende mostrar a influência da música no bairro da Quinta do Mocho, em Sacavém. Ela é intrínseca à cultura das pessoas que aí moram. A música faz parte da sua identidade. Pelas ruas ecoam diferentes géneros musicais a qualquer hora do dia.

Quem passa pela Quinta do Mocho, em Sacavém, vê arte. É qui que está a maior galeria de arte a céu aberto da Europa. Por detrás de 108 obras nas paredes dos edifícios há histórias.

(MARTA LARANJEIRA)

Pintura de Abraham Osori. Esta pintura retrata uma mulher africana rodeada pelos quatro elementos, (Água, Ar, Terra e Fogo), sendo que ela própria representa o elemento terra.

(MARTA LARANJEIRA)

Pintura de Arcy. Esta representa uma mulher tipicamente portuguesa, utilizando as vestes utilizadas na Romaria da Senhora da Agonia, uma festa realizada em Viana do Castelo.

(MARTA LARANJEIRA)

Pintura de Zag e Sia. Este graffiti esconde em si a mensagem de que tudo é possível. Se uma mulher com uma perna de metal pode ser uma bailarina, então qualquer pessoa pode seguir o seu sonho.

(MARTA LARANJEIRA)

Pintura de Noé. Esta pintura representa a diversidade de culturas que existem dentro do bairro, maioritariamente africanas. Cada veste e cada colar representa uma nacionalidade diferente de África possível de ser encontrada no bairro.

(MARTA LARANJEIRA)

Pintura de Pablo Machioli.  Este é um graffiti alusivo à pomba da paz, contudo esta pretende ser mais representativa. As diferentes cores correspondem assim a diferentes culturas, sem nunca esquecer o lado negro da própria paz.  

(MARTA LARANJEIRA)

Pintura de Dish. O artista português ilustra que cada vez que saímos de casa levamos toda a nossa educação connosco, mas também os nossos receios e inseguranças que fazem de nós quem somos. Nunca sabemos o que se passa dentro de cada “casa”.

(MARTA LARANJEIRA)

Pintura de Johnny Double. O artista utilizou o exemplo dos cogumelos para mostrar que a união faz a força. Tal como os cogumelos, que quando crescem num só sítio dificultam a sua apanha, também os habitantes da Quinta do Mocho, quando se juntaram, se tornaram mais resistentes aos problemas que afetavam o bairro.

(MARTA LARANJEIRA)

Pintura de Vinie. A artista estava apenas acostumada a pintar retratos e nunca pessoas de corpo inteiro, contudo os habitantes do bairro pediram-lhe que fizesse a boneca completa. Artista acabou por se inspirar na própria estética do prédio para ceder ao pedido feito.

(MARTA LARANJEIRA)

Pintura de Observ. Ela representa os diferentes gestos com os quais podemos comunicar e que podem até representar diferentes fases da vida.

(MARTA LARANJEIRA)

Pintura de Guido Palmadessa. Todas as pinturas foram inspiradas na energia do bairro e esta não é a exceção. As crianças são o bem mais precioso do bairro e por isso este artista decidiu pintar uma das raparigas que aqui vive. A sua roupa, por outro lado, é inspirada nos padrões das vestes das pessoas que ali rondavam o artista.

(MARTA LARANJEIRA)

Pintura de Pablo Machioli. Este artista peruano, que ao todo possui três obras no bairro, aproveitou as tintas utilizadas nas suas outras obras para dar cor a este recanto do bairro.

Gostaste deste artigo? Partilha-o!

Scroll to Top