Luís Braya: a passagem do testemunho

Esta entrevista foi realizada antes do surto pandémico da COVID-19.

Luís Braya, ex-presidente da Associação de Estudantes da Escola Superior de Comunicação Social, passou o testemunho à finalista Madalena Jesus, que assume agora o cargo. Licenciado em Audiovisual e Multimédia, Luís revela que, embora haja “sempre coisas que ficam por fazer”, se sente satisfeito e completo com o seu mandato.

Sobre o porquê de se ter candidatado à presidência, Luís conta que,depois de ter desempenhado um cargo semelhante no último ano do ensino secundário,essa foi uma experiência que quis repetir desde que entrou na ESCS. No entanto, afirma que desta vez foi “mais duro e sério”, principalmente a nível financeiro, e também muito mais desafiante.

Agora, no final do mandato, espera ter agradado ao máximo de alunos possível. Na sua opinião, “os alunos estão cada vez mais felizes com a AE que têm, e ajudam-na a crescer cada vez mais” ao comparecerem nos eventos e usufruírem do seu espaço.

Para Luís, houve vários motivos de orgulho no seu mandato. Primeiro, cumpriu o seu maior objetivo: realizar a bênção de finalistas da ESCS no seu campus, uma vez que não se identificava com o formato anterior – a bênção ocorria na Igreja da Boa Nova, no Estoril. Apesar do muito trabalho, e de ter passado poucos momentos com a família, conseguiu ver a felicidade que o evento gerou nos finalistas, e afirma que estes se sentiram “muito mais gratos do que nos anos anteriores e muito mais felizes, porque tiveram uma atenção especial”, por ter sido uma cerimónia realizada no seu próprio campus. Em segundo lugar, organizou um debate que teve o auditório quase cheio – o chamado “Advogado do Diabo”, cuja ideia foi pegar em temas polémicos, amplamente discutidos pelos alunos da ESCS (neste caso, o feminismo), e trazer à Escola vários convidados. O Advogado do Diabo seria o moderador do debate. Na opinião de Luís, é difícil levar os alunos a aderir a atividades deste cariz. Por último, também constituiu uma equipa de vólei feminino, que afirma “estar a funcionar muito bem” – o que foi ao encontro de um dos grandes objetivos da AE: “pôr todos os alunos a praticar desporto”.

Luis Braya na Tomada de Posse como Presidente da AEESCS 2018-2019 (Bernardo Mendonça/AEESCS)

No entanto, Luís conta que nem tudo o que mais desejava foi cumprido: “Eu ainda sonho pôr novamente o Arraial ESCSito no mapa dos melhores arraiais de Lisboa. O nosso arraial é dos mais antigos. Acolhia muitas pessoas, mas infelizmente houve circunstâncias que impediram o seu crescimento, e foi-se muito abaixo”. Luís admite que gostaria de ver maior adesão ao arraial, por se tratar de uma festa muito importante de receção aos novos alunos.

Na opinião de Luís Braya, a nova presidente da Associação de Estudantes – Madalena Jesus – reuniu uma boa equipa. “É capaz”, e o próprio considera-a muito melhor do que ele em alguns aspetos, o que o deixa confortável. Revela ainda as expectativas que tem para o mandato: “Espero que ela consiga fazer tudo o que eu não fiz, que cumpra todo o plano de atividades, e que faça sempre mais e melhor. O objetivo é sempre melhorar a qualidade dos nossos eventos. Nunca nos podemos conformar com o que é feito. Os alunos não têm de ficar só satisfeitos; têm de pedir mais e ela tem de corresponder.”

Após passar o cargo a Madalena, Luís deixa uma frase de motivação: “Nada é impossível; é só uma questão de tentarmos e trabalharmos. Acho que o mais importante é mesmo tentar.

Fotografia de capa: Inês Vara

Gostaste deste artigo? Partilha-o!

Leave a Comment

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *

Scroll to Top