O que a Mídia NINJA faz é jornalismo?

A Mídia NINJA irrompeu e tornou-se um caso na cena mediática brasileira com a explosão do protesto popular e grandes manifestações em muitas cidades do Brasil, após o anúncio de aumento de preço dos transportes públicos. Com telemóveis, computadores e ligação à internet, os ativistas da Mídia NINJA saltaram do chão para a rede e em live streaming mostraram, horas a fio na Net, o que não se via nos grandes media tradicionais. Mostraram notícia em estado bruto. Puseram-se a fazer informação que se assume ativista, militante, disposta a combater o conformismo da imprensa tradicional

Alexandra Lucas Coelho trouxe à conferência O Regresso do Jornalismo” o caso da Mídia NINJA.
Ao longo daquelas semanas de protestos, a página da Mídia NINJA no Facebook ganhou dezenas de milhares de seguidores e a revolta contra o jornalismo tradicional, simbolizado e encimado pela poderosa Rede Globo, somou-se aos protestos na rua. A mídia NINJA pôs em xeque o jornalismo “oficialista” dos meios tradicionais. As redes comerciais de televisão que a princípio desvalorizaram as manifestações, foram obrigadas a “pegar nelas” e chegaram a recorrer a imagens captadas pelas “câmaras nervosas” da Mídia Ninja.

Alexandra Lucas Coelho na ESCS, em Novembro de 2013. Foto de Lourenço Santos
Alexandra Lucas Coelho na ESCS, em Novembro de 2013. Foto de Lourenço Santos

Escritora (acaba de ser distinguida com o Grande Prémio de Romance e Novela da Associação Portuguesa de Escritores) e jornalista (prémio de reportagem radiofónica do Clube Português de Imprensa em 1998, prémio da Casa da Imprensa em 2000, Grande Prêmio Gazeta em 2005) com mais de 20 anos de ofício, Alexandra Lucas Coelho lançou à conferência “O regresso do Jornalismo” este desafio: o que a Mídia NINJA faz é jornalismo?

Ouçamos excertos das ideias expressas neste debate.1 – ENQUADRAMENTO DO DEBATE2 – APRESENTAÇÃO POR ALEXANDRA LUCAS COELHO3 – O DEBATE

Por Pedro André Esteves

TEMAS RELACIONADOS

À procura das perguntas certas
O exclusivo continua a ser a nossa melhor arma
Ao encontro de Paul Salopek
A história do jornalista total
Como fazer “el cambio”?
Borja Echevarría: “O jornalista deve conversar com os leitores”
Josh Hammer – O Outro Ângulo
Descrever o mundo a partir do detalhe
O regresso do Jornalismo

Gostaste deste artigo? Partilha-o!

Leave a Comment

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *

Scroll to Top