Personalidades do Ano

Num ano peculiar como este, é difícil encontrar uma figura tão relevante como o vírus que abalou o mundo e ao qual ninguém conseguiu ficar indiferente. Confinou a população, alterou a economia mundial e fez com que sociedades inteiras modificassem os seus comportamentos habituais. Se fosse uma pessoa, indubitavelmente o novo coronavírus seria considerado a “personalidade do ano”. No entanto há duas duplas que revolucionaram o ano de 2020 e que, pela sua relevância nacional e internacional, foram figuras populares nos media portugueses: Marta Temido e Graça Freitas; Joe Biden e Kamala Harris.

LUSA

Marta Temido, ministra da Saúde, e Graça Freitas, diretora da Direção Geral da Saúde (DGS), começaram a ser figuras regulares nos telejornais portugueses a partir do início da pandemia. Os boletins informativos diários que davam conta do panorama nacional trouxeram a esta dupla uma nova responsabilidade: manter a população informada. Além de terem um currículo vasto, com particular incidência na área da saúde, ganharam especial notoriedade este ano devido ao seu papel fundamental na gestão da informação pública sobre a pandemia.

Segundo a página oficial do Governo, Marta Temido, com doutoramento em Saúde Internacional pelo Instituto de Higiene e Medicina Tropical da Universidade Nova de Lisboa, e mestrado em Gestão e Economia da Saúde pela Faculdade de Economia da Universidade de Coimbra, exerceu funções de administradora hospitalar durante vários anos. De acordo com uma breve apresentação biográfica disponível na página oficial da Direção-Geral da Saúde (DGS), Graça Freitas, licenciada em Medicina pela Faculdade de Medicina da Universidade de Lisboa, exerceu medicina vários anos, antes de ter começado a assumir cargos de chefia na área da Saúde Pública. Graça Freitas foi nomeada diretora da DGS em 2017, ainda antes de Marta Temido tomar posse como ministra da Saúde. Esta assumiu as suas novas funções no fim de 2019 e, apesar de o governo ter feito algumas remodelações, manteve Graça Freitas no seu cargo.

Ambas, devido à sua creditação e especialização, foram os rostos escolhidos para o combate à pandemia durante o ano de 2020.

Jim Lo Scalzo/EPA

Já Joe Biden e Kamala Harris são a dupla que mais recentemente agitou os media internacionais e são os vencedores das últimas eleições presidenciais dos EUA. A contagem dos votos começou oficialmente dia 3 de novembro e, devido a contestações por parte do candidato republicano, Donald Trump, alguns votos continuam a ser recontados. Foram umas eleições renhidas e deixaram o mundo colado às televisões e aos jornais sempre que o resultado eleitoral de um Estado saía. Biden e Harris obtiveram o maior número de votos populares alguma vez conseguido por um candidato à presidência americana, segundo a Associated Press. Donald Trump foi o primeiro presidente dos EUA desde 1992 a não ser reeleito, nas eleições com maior participação eleitoral. A tomada de posse dos novos presidente e vice-presidente deverá ocorrer no dia 20 de janeiro de 2021, após a eleição do Colégio Eleitoral, dia 14 de dezembro.  

Segundo o perfil fornecido pela BBC News, Joe Biden foi senador pelo Delaware desde 1973 até 2009, quando se retirou para ser o vice-presidente dos EUA durante o mandato presidencial de Barack Obama. Ainda durante o mandato de Trump, Biden iniciou a sua campanha eleitoral para as presidenciais de 2020. No dia 11 de agosto de 2020, anunciou que Kamala Harris seria a sua candidata a vice-presidente.

Também segundo o seu perfil da BBC News, Kamala Harris, filha de pais imigrantes, nasceu na Califórnia e, após o divórcio dos pais, quando tinha cinco anos, cresceu com a mãe – uma cientista investigadora e ativista dos direitos humanos, de nacionalidade indiana. Além do background cultural indiano, a mãe de Harris sempre respeitou a ascendência jamaicana das suas filhas, incutindo-lhes a cultura afro-americana. Em 2019, quando era senadora pela Califórnia, concorreu às primárias do Partido Democrata; no entanto, no fim do ano a sua campanha não teve grandes resultados, o que fez com que Harris se juntasse a Biden na sua campanha eleitoral. Com a vitória de Biden, Kamala Harris fez história, ao tornar-se a primeira mulher e a primeira afro-americana a ser eleita vice-presidente dos Estados Unidos da América. 

Assim, esta dupla democrática ganhou elevada notoriedade na segunda metade do ano de 2020, que viu a democracia ser novamente conquistada pelos Estados Unidos da América.

Ilustração de Joana Melo

Scroll to Top
0 Shares
Share via
Copy link
Powered by Social Snap