Violência doméstica: há que meter a colher

No ano de 2019 morreram 35 pessoas em contexto de violência doméstica: 27 mulheres, sete homens e uma criança. Todas as vítimas conheciam os homicidas, estando ou tendo estado a eles unidas por laços de intimidade ou família. Já em 2018, foram registados 39 homicídios em contexto de violência doméstica – sendo que 60% das vítimas correspondiam a mulheres – e mais de 26 000 queixas.

De modo a melhorar a prevenção e o combate à violênciadoméstica foi criada uma comissão técnica multidisciplinar. Algumas das medidas passaram por melhorar a proteção das vítimas nas 72 horas após uma denúncia e pela criação de uma rede de urgência de intervenção suscetível de ser acionada 24 horas por dia.

A violência doméstica, porém, não é só um problema em Portugal, mas também em toda a Europa. Segundo as estatísticas do Eurostat, no ano de 2017foram registadas em França 123 mortes em contexto de violência doméstica, na Alemanha 189, na Roménia 84, no Reino Unido 70 e em Itália 65.

Tânia Rodrigues tem 22 anos e licenciou-se em Direito pela Universidade Autónoma de Lisboa. Atualmente,é aluna do mestrado em Direito Forense e Arbitragem na Faculdade de Direito na Universidade Nova de Lisboa. Realizou dois estudos cujo âmbito incide sobreaquestão da violência doméstica em Portugal.

 Na sua opinião, e na sequência do número de mortes que já ocorreram desde o início de 2019, “é necessário que as vítimas acreditem na proteção do sistema e que a sociedade quebre com os estereótipos de género e comece a valorizar as queixas apresentadas”. Um aspeto que Tânia destaca é o envolvimento das crianças em contextos de violência doméstica: “Uma criança que vivencia um contexto familiar pautado pela violência doméstica é também ela vítima direta daquela violencia.” Na sua opinião, é de extrema importância não esquecer a criança e as consequências que um ambiente de violência poderão ter no seu desenvolvimento e bem-estar.

Artigo redigido por: Ana Cardoso

Ilustração de capa: Maria Kurgy e Joana Melo

Gostaste deste artigo? Partilha-o!

Scroll to Top